SIMPÓSIOS TEMÁTICOS

Simpósio 1

Conto e reconto da tradição oral

Profa. Dra. Beatriz dos Santos Feres (UFF)
Profa. Dra. Marisa Martins Gama-Khalil (UFU)
Profa. Dra. Regina Michelli (UERJ)

A ação de contar e ouvir histórias, além do prazer que pode proporcionar a contadores e ouvintes, cumpre a função de permitir que o ser humano organize seu mundo interno e compreenda o contexto que o cerca. Não existe povo que não tenha gosto por histórias, seja criando ou se apropriando de uma para acrescentar-lhe detalhes, retirar alguns, trocar por outros. Os contos maravilhosos ou de fadas, transmitidos inicialmente pela oralidade, assinalam o que hoje se considera o berço da literatura passível de ser direcionada ao público infantil, por vezes excluída nas histórias da literatura e no cânone literário. Este simpósio perspectiva os contos da tradição, narrativas que se metamorfosearam em novas histórias, recontadas por diferentes escritores ao longo dos tempos, atestando a vitalidade do gênero. Nesse sentido, avulta a apropriação de narrativas literárias da tradição e o processo de adaptação/recriação que as envolve nesse diálogo intertextual, gerador de novas obras, impressas ou publicadas em outras linguagens e mídias. As releituras por vezes reelaboram estereótipos e representações sociais, ensejam teorias como o revisionismo, bem como estratégias discursivas e hipermidiáticas, assinalando novas práticas de leitura literária. O simpósio, portanto, pretende reunir trabalhos em torno dos contos da tradição e seus recontos.

Simpósio 2

Múltiplas linguagens em literatura infantil e juvenil: imagem, som e toque

Profa. Dra. Maria José Palo (PUC-SP)

No cenário contemporâneo dos estudos e pesquisas da Literatura Infantil e Juvenil, nosso propósito volta-se para uma perspectiva epistemológica e historiográfica. Este novo lugar do experimentalismo enfatiza uma multiplicidade de tratamentos, usos e concepções no ambiente da linguagem, no qual a Literatura Infantil e Juvenil tem recebido a função mediadora e cultural. Entretanto, a fusão que orientou o ensino e a produção do livro infantil e juvenil no passado requer uma revisão do estatuto da Literatura para crianças e jovens a partir do modo de representar a Infância, na potência da fala, a sua Voz. Ao entender essa experiência entre língua e fala, abre-se um limiar originário semelhante à poesia, que visa a reconstituir o locutor e o discurso de representação da palavra no narrar, no contar, na performance infantil e juvenil em nova semântica, lugar e significação literário, artístico e cultural. 

Simpósio 3

Literatura infantil e juvenil no contexto da era digital

Profa. Dra. Aline Frederico (UFRJ / PUC-SP)
Prof. Dr. Edgar Kirchof (Univ. Luterana do Brasil)

Este simpósio será o espaço para a apresentação de trabalhos que discutam as relações da literatura infantil e juvenil com o universo digital. Serão bem-vindos trabalhos que analisem a literatura infantil digital ou digitalizada, sua mediação e recepção, trabalhando com formatos como o dos aplicativos literários, e-books, audiobooks, bibliotecas digitais, obras de realidade aumentada ou realidade virtual, games literários etc. Outra frente de trabalho que será contemplada neste simpósio diz respeito à análise de como a mídia digital impacta a literatura infantil e juvenil tradicional, sua mediação e recepção. Nesse sentido, serão aceitos trabalhos que abordem os booktubers, os festivais literários digitais, as lives com escritores e ilustradores, produções de fanfics, a mediação de leitura à distância realizada em tempos de pandemia, entre outros. Os trabalhos poderão se debruçar sobre as obras propriamente ditas, sobre a resposta do leitor infantil e juvenil a esses textos e paratextos digitais, sobre as diversas práticas de leitura que envolvem a mídia digital, sobre a mediação e a educação literária e como estas são impactadas com as obras em formato digital e com o uso da tecnologia de forma mais ampla. 

Simpósio 4

Literatura e ensino

Profa. Dra. Elizabeth Cardoso (PUC-SP)

Profa. Dra. Renata Junqueira (UNESP-Presidente Prudente)

As relações entre a literatura e o ensino são antigas e profundas. A sala de aula tem sido o espaço prioritário para a introdução do leitor ao literário e sua permanência nesse universo poético e estético, especialmente no que diz respeito à literatura infantil e juvenil. No entanto, vários desafios devem ser enfrentados nesse processo, tais como:
A leitura do canônico e do contemporâneo na sala de aula. O acesso ao livro literário. A renovação do acervo. A ocupação literária de outros espaços escolares que não a sala de aula. Os encontros da literatura com as outras linguagens: artes visuais, artes do corpo e audiovisual. Temas difíceis na literatura em sala de aula: afetos, sexo, política, raça e gênero. As relações e os conflitos entre os aspectos paradidáticos e poéticos. A formação literária do educador. A literatura digital na sala de aula. As potências das imagens e da materialidade do livro de literatura infantil e juvenil na formação do leitor literário. O papel da universidade na formação do jovem leitor.
Sendo assim, a proposta deste simpósio é constituir espaço para a troca de ideias, apresentação de pesquisas e experiências que auxiliem a reflexão sobre esses pontos.

Simpósio 5

Literatura juvenil e o diálogo com outras artes

Profa. Dra. Diana Navas (PUC-SP)
Prof. Dr. Maurício Silva (UNINOVE)

A literatura juvenil, em significativa expansão no cenário contemporâneo, há tempos vem se revelando, cada vez mais, como objeto estético, desvencilhando-se da exclusiva preocupação com os aspectos didáticos e pedagógicos que marcaram sua origem. Provenientes de diferentes áreas, autores consagrados, jovens autores, ilustradores e designers – muitos deles internacionalmente reconhecidos – têm se aventurado na produção de livros juvenis, voltando sua preocupação para a construção do texto, para sua função estética, oferecendo-nos, desta forma, um rico e vasto acervo. 
Instigante e experimental, a literatura preferencialmente endereçada a jovens tem desafiado a crítica ao promover um diálogo profícuo, em termos de arquitetura narrativa, com as outras artes, em um processo de interlocução. Assim, em consonância com o contexto histórico-cultural do público a que preferencialmente se destina – mergulhado em um universo no qual abundam as referências audiovisuais – a produção literária juvenil tem absorvido, na construção narrativa, as linguagens da música, do teatro, do cinema, da fotografia, da ilustração, da pintura, dos quadrinhos, rompendo com as tradicionais fronteiras entre a literatura e as diferentes formas artísticas, apontando, assim, para uma composição marcada pela confluência e hibridismo de linguagens.
Interessa-nos, assim, comunicações que observem e analisem como as obras juvenis mantêm relações, não meramente temáticas, com outras formas de expressão, incorporando, muitas vezes, a própria sintaxe das diferentes linguagens artísticas, sem que a linguagem literária, no entanto, perca a sua especificidade. Estudos que discutam como esse tipo de produção – marcada pela multimodalidade – contribui para a formação de um leitor mais crítico e reflexivo também são desejáveis.

Simpósio 6

Poesia para crianças e jovens: abordagens múltiplas

Profa. Dra. Vera Teixeira de Aguiar (PUC-RS)
Profa. Dra. Alice Áurea Penteado Martha (UEM)

Apesar do peso significativo que possui atualmente a literatura para crianças e jovens no campo editorial, movimentando cifras consideráveis, da vasta produção de títulos em níveis de literariedade, dos mais artísticos aos mais “comerciais”, dos inúmeros autores já consagrados ou novatos que produzem na área, da legitimação que essa literatura recebe de diferentes instituições (prêmios, diretrizes curriculares, disciplinas de graduação e pós-graduação, congressos), é possível constatar que, dentre os gêneros em circulação no segmento infantil e juvenil, a pesquisa sistemática sobre a poesia se mostra ainda incipiente, revelando a necessidade constante de estudos sobre essa produção. Há enorme trabalho a realizar na área, tanto no sentido da investigação teórica e crítica, quanto daquela voltada para a questão da leitura e da superação gradativa dos problemas relativos à formação de leitores literários permanentes, o que justifica a proposição deste simpósio, empenhado em compreender melhor a poesia infantil e juvenil nas suas múltiplas dimensões, bem como os modos de produção, circulação e recepção na contemporaneidade, quando outros suportes convivem com os livros na vida do público em foco. Frente ao exposto, o simpósio receberá trabalhos que levantem obras que circulam sob a rubrica de poesia para crianças e jovens; debatam seus elementos estético-formais; realizem reflexão acurada sobre a existência de um específico infantil e juvenil no campo mais amplo da poesia; discutam e proponham temas relativas ao seu ensino; analisem o processo de mediação e recepção de poemas no contexto escolar, em suas múltiplas variáveis.

Simpósio 7

Temas fraturantes no livro infantil e juvenil contemporâneo

Profa. Dra. Eliane Aparecida Galvão Ribeiro Ferreira (UNESP-Assis)
Profa. Dra. Alice Atsuko Matsuda (UTFPR-Curitiba)

Na contemporaneidade, os livros infantis e juvenis apresentam narrativas que integram temas trágicos, como opressão, ausência de diálogo, crise identitária, entre outros. Seus relatos tratam de crianças e adolescentes frustrados, os quais não compreendem e/ou aceitam as relações conflituosas que os cercam ou os contextos de violência em que se inserem. Pelo viés psicanalítico (SANT’ANNA, 2007), essas histórias exprimem, muitas vezes, o que foi recalcado. Pelo enfoque de denúncia social, suas narrativas requerem uma maneira diferente de ler o convencional, convidando seu leitor à tomada de consciência sobre a construção identitária que se firma no cruzamento com classe social, gênero, tempo e espaço, história e trajetória de vida (RESENDE, 2008). Sua temática fraturante (RAMOS; NAVAS, 2015) é própria da produção contemporânea que prevê um leitor desejoso por encontrar temas complexos e de seu tempo, que lhe facultem refletir sobre diferentes formas de vida.  Dessa forma, o presente simpósio objetiva fomentar o debate acerca da produção literária contemporânea que visa ao público infantil e juvenil (HUNT, 2010). Almeja-se tomar como objeto de estudo e análise livros contemporâneos, reconhecidos pelo seu valor estético no campo literário (BOURDIEU, 1996), refletindo sobre suas características e tendências.

Simpósio 8

As literaturas africanas, afro-brasileiras e indígenas para infância e juventude: intersecções

Profa. Dra. Eliane Debus (UFSC)

Prof. Dr. Diógenes Buenos Aires (UESPI)

O simpósio busca agregar pesquisadores que trazem para o cenário de debate o diálogo sobre as literaturas escritas por africanos, afro-brasileiros e indígenas, bem como aquelas que tematizam essas culturas e as suas contribuições para a educação das relações étnico-raciais.

Sugere-se que os trabalhos apresentados se centrem em títulos e autores contemporâneos que, de algum modo, estejam vinculados com as políticas de ações afirmativas, como a Lei 10.639/2003 e a 11.645/2008, para, se possível, ampliar análises que debitam a essas o acréscimo da produção no mercado editorial, no caso do Brasil. Para além de promover a visibilidade de narrativas que trazem os protagonistas negro e indígenas na escrita e na ficção, procura-se evidenciar aquelas que as tematizam, em intersecção com a formação de leitores literários seja no espaço escolar e não-escolar.

© 2020 Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

  • Facebook
  • Preto Ícone YouTube
  • Instagram
  • Preto Ícone Twitter